domingo, 10 de abril de 2016

#Acessibilidade Conheça Kédma Daniele


Meu nome é Kédma Daniele. Jovem, teresinense e assistente social. Uso cadeira de rodas desde outubro de 2013 em virtude do avanço de um problema neurológico que afeta minha coordenação motora. Adaptar-me a essa nova realidade não foi nada fácil, resisti o máximo que pude porque meu olhar focava apenas no negativo da situação: a cadeira atestava minha piora. Além disso, muito me incomodavam os olhares alheios, principalmente de quem me conhecia de “antes da cadeira”. O que os outros pensariam e como eu lidaria com isso?

Com o tempo (aaaaah, o tempo) e com as circunstâncias da minha vida – ambos fruto do precioso agir do meu Deus (sim, eu creio em Deus e não, eu não acho que a fé nEle significa ausência de problemas de qualquer ordem), permiti-me um novo olhar a partir do entendimento de que a cadeira de rodas me trazia liberdade (meio paradoxal, mas verídico) traduzida em capacidades que eu já havia perdido. Dessa forma, hoje, posso dizer que minha vida é bem melhor porque a cadeira de rodas tornou-se a minha facilitadora, para o meu trabalho, para as atividades domésticas, para os tratamentos, para o meu lazer.

Posto isso, digo que no último dia 20 de fevereiro fiz um ensaio, o qual batizei carinhosamente de #ensaiosobrerodas, querendo extrair beleza da situação que hoje vivencio (entendedores entenderão que associar sua imagem à cadeira de rodas não é tarefa fácil, ainda mais quando se trata de uma pessoa jovem..na verdade, em qualquer momento da vida, é complicada a transição de andante para cadeirante). Pois bem, eu fui atrás de beleza, de cores, de vida, de amor..e achei!!! 

Leitores (as), DIAGNÓSTICO NÃO É DESTINO! 

http://www.cantinhodoscadeirantes.com.br/2016/04/conheca-kedma.html

HNSD retoma implantação do tratamento de câncer pelo SUS em Itabira

Foto divulgação Que Seja Leve Que Seja Breve

O provedor do Hospital Nossa Senhora das Dores (HNSD), Vaquimar José Vaz, disse em entrevista a DeFato Online que conseguiu sinal verde da Secretaria Municipal de Saúde de Itabira para dar continuidade ao processo de credenciando junto ao SUS do tratamento oncológico de alta complexidade. “O secretário já nos deu o aval para recomeçarmos o processo. Só que estamos com o processo todo já formatado, então não teremos dificuldade nenhuma”, afirmou.
 
Alvo de muita polêmica em novembro do ano passado, o tratamento de câncer pelo SUS em Itabira foi adiado por decisão do secretário municipal de Saúde, Reynaldo Damasceno, em conjunto com os demais secretários das 25 cidades da região que seriam atendidas em Itabira. Na época, o Ministério da Saúde e a Secretaria de Estado da Saúde haviam aprovado as instalações do Hospital Nossa Senhora das Dores, responsável por sediar uma Unidade de Atendimento de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon).
 
Apesar do ok das instâncias estadual e federal, Reynaldo achou melhor esperar. Segundo ele na época, o HNSD ainda apresentava deficiências em alguns serviços e não estava preparado para atender ao aumento de demanda.
 
O assunto deu tanta repercussão que a Câmara Municipal promoveu uma audiência pública para colocar frente a frente todos os atores envolvidos no processo. Por decisão dos gestores municipais – no caso de Itabira, a gestão é plena, então toda decisão passa na mesa do secretário –, a alta complexidade em oncologia foi adiada para o segundo semestre deste ano.
 
De acordo com Vaquimar, alguns detalhes cobrados na época foram adequados e o hospital está pronto para seguir em frente. Ele disse também que serão atendidos no HNSD apenas casos novos. Os pacientes que tratam câncer em Belo Horizonte continuarão na capital, a menos que queiram a transferência.
 
Perguntado sobre o assunto, Reynaldo Damasceno afirmou que novas vistorias foram feitas pelo Ministério da Saúde desde então e que a Prefeitura está fazendo a sua parte. Ele disse que o hospital também precisa fazer a sua, como buscar o credenciamento da nova UTI. “A gente sabe que a atual UTI está cheia com os pacientes do Pronto-Socorro. Então, para que seja aberto um novo serviço de alta complexidade em que os pacientes podem necessitar de UTI, essa nova UTI tem de estar credenciada”, justificou.
 
O secretário afirmou ainda que é preciso articular junto ao Ministério da Saúde pela liberação dos recursos necessários ao serviço. O prazo, segundo ele, continua sendo o segundo semestre deste ano. 

http://www.defatoonline.com.br/noticias/ultimas/08-04-2016/hnsd-retoma-implantacao-do-tratamento-de-cancer-pelo-sus-em-itabira

SOCIAL MEDIA

MARCADORES