segunda-feira, 11 de abril de 2016

A vitória contra a leucemia a partir do transplante



“Hoje, eu rezo pela doadora — porque tudo o que eu soube é que foi uma mulher — como se fosse minha filha. Tudo o que eu peço pro meu filho, eu peço para ela”. O carinho da costureira e diarista Rita Monteiro, 44, é de uma mãe que usa a proteção da oração como forma de agradecimento. O filho dela, Thiago Monteiro Vidal, hoje aos 17, foi agraciado, literalmente, ao encontrar uma agulha no palheiro. Em abril de 2013, ele descobriu, menino ainda, ser portador de um dos tipos mais agressivos de leucemia, a mieloide aguda tipo 4. Um ano e quatro meses depois, “por um milagre de Deus”, define Rita, conseguiu encontrar uma doadora.
Umas manchas como pancadas no corpo, febre e muito cansaço foram os sinais para fazer com que Rita ficasse preocupada. Na época, diz Thiago, o surto de dengue o fez procurar um posto de saúde, para fazer o exame de hemograma. Segundo ele, já nesse laudo, o câncer já apareceu. “Pode ser estranho, mas eu levei de boa, não fiquei nervoso. Mas também não sabia no início da gravidade”, conta ele. Mesmo tendo noção do risco, com o início do tratamento, o pessimismo nunca fez parte do vocabulário do jovem.
Após a descoberta, tratamento e cura, toda a família de Thiago fez questão de ir ao Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará para se disponibilizar à doação de medula: a mãe, a irmã Talita Monteiro Vidal, 22, o padrasto Jorge Bernado, o filho dele, Kaique Oliveira, 19. As chances de um indivíduo encontrar um doador ideal entre irmãos (mesmo pai e mesma mãe) é de 25%. “Já pensou se a gente consegue encontrar alguém que seja compatível. Vai ser a melhor recompensa”, diz Rita. (Angélica Feitosa)

Fhemeron tem defasagem de 40% em doação de sangue; doadores devem se fidelizar ao serviço

A equipe da Fundação de Hematologia e Hemoterapia do Estado de Rondônia (Fhemeron) continua preocupada com a baixa do estoque de sangue da unidade, que tem recebido uma média de 40 a 60 doadores/dia, quando precisa de no mínimo 100 doações para manter-se equilibrado.

Doadores recebem orientação na Fhemeron

A assistente social da unidade, Maria Luíza Pereira, ressaltou que o hemocentro está precisando de doações de todos os tipos sanguíneos. “A doação de sangue é um ato de solidariedade que ajuda a salvar vidas. Precisamos sensibilizar um número maior de pessoas para que venham doar”, afirmou.
Um dos motivos da baixa do estoque é o aumento de cirurgias realizadas no Estado de Rondônia, em 88% nos últimos quatro anos, de acordo com dados da Secretaria Estadual de Saúde (Sesau).  Com o aumento de cirurgias, consequentemente aumenta o número de transfusão de sangue.
Maria Luíza solicitou, ainda, que as doações sejam um ato contínuo, e não apenas quando há mobilizações por parte de familiares dos pacientes que precisam com urgência ou campanhas institucionais.
OMO DOAR
A Fhemeron funciona de segunda a sexta-feira, das 7h às 18h; e aos sábados das 7h às 12h. Para doar é preciso levar um documento original de identidade com foto, ter peso superior a 50 quilos, idade entre 16 e 69 anos, não estar em jejum, não ter ingerido alimentos gordurosos nas últimas três horas e sentir-se bem, com saúde.
Quando o doador chega à instituição, ele faz o cadastro na recepção e recebe uma hidratação feita à base suco, café com leite e biscoitos, antes mesmo da doação. Depois o doador passa por uma triagem de verificação dos sinais vitais, onde são aferidos a pressão e o peso; e uma triagem clínica para verificação das condições de saúde pelos enfermeiros.
Maria Luiza Pereira, assistente social da Fhemeron, faz apelo para doações contínuas
Maria Luiza Pereira, assistente social da Fhemeron, faz apelo para doações contínuas
Na sala de coleta de sangue, o doador é acompanhado por médico e enfermeiros durante a doação que dura em média 15 minutos. Após a doação, é oferecido um lanche reforçado, com sucos, sanduíches, iogurtes e mingau. “Nenhum doador sai da doação sem se alimentar, mesmo que ele não queira comer nada, nossa equipe cuida para que ele se hidrate ao menos com líquidos, sucos e bastante água, garantindo seu bem-estar”, explica Maria Luíza.
A assistente social destacou, ainda, que todos os doadores são observados durante e após o processo de doação e mediante qualquer intercorrência permanece no local, sendo assistido por médico e enfermeiro; e, se necessário, a equipe da Fhemeron disponibiliza um veículo para levá-lo até sua residência, garantindo a segurança do mesmo.
CUIDADOS PÓS DOAÇÃO
Durante a doação, o doador recebe um material informativo sobre os cuidados que devem ser tomados após a doação de sangue com as seguintes instruções:
  • Permanecer no local menos 15 minutos após a doação, para que os serviços da Fhemeron possa observá-lo.
  • Não fumar uma hora após a doação
  • Tomar bastante líquidos (água, suco e chá)
  • Evitar atividades físicas vigorosas ou que coloquem em risco sua segurança e dos outros nas próximas 12h
  • Evitar usar intensamente o braço em que foi realizada a punção
  • Manter o curativo por 4h
  • Em caso de sangramento ou hematomas posteriores faça compressão no local da punção.

Família decide encontrar doadora de medula que salvou menino de 3 anos

Procuradora, Carla doou a medula para o pequeno João Gabriel. Fantástico acompanhou o encontro emocionante dos dois, três anos após a doação.



Foto divulgação Gotas Salvadoras

Um ato de solidariedade uniu duas famílias numa história emocionante: a procuradora Carla doou a medula para o João Gabriel quando ele tinha três anos, em 2013.


Agora, três anos depois do transplante, a família do garoto decidiu que era a hora de conhecer aquela que salvou a vida do pequeno João. O Fantástico acompanhou o encontro emocionante.


G1

O Hemocentro do Estado do Rio Grande do Norte precisa de sangue de todos os tipos

 


Os estoques estão em níveis críticos e o fornecimento de sangue e hemocomponentes para a rede hospitalar já está comprometido. No momento, o Hemonorte tem em estoque pouco mais de 200 unidades, número esse bem abaixo do necessário para suprir a demanda diária. “Para que possamos atender a rede hospitalar precisamos ter em estoque 600 bolsas de sangue pronta para uso. Hoje estamos bem aquém desta realidade. Para se ter uma ideia, sangue do tipo AB- (negativo) está zerado,” ressaltou a diretora Geral do Hemocentro, Linete Rocha. O sangue não tem substituto e por isso a doação voluntária é fundamental. Pode doar sangue qualquer pessoa que tenha entre 16 e 69 anos e mais de 50 quilos, além de não ter ingerido bebida alcoólica nas últimas 12 horas, não ter tomado a vacina contra a gripe nas últimas 48 horas, não ter tido hepatite após os 11 anos de idade. Os jovens com 16 e 17 anos podem fazer sua doação  acompanhados de um responsável legal. Os intervalos para doação são de 60 dias para homens e de 90 dias para mulheres, com o máximo de quatro doações ao ano para o homem e três doações para a mulher. O Hemocentro do RN é responsável por cobrir 100% dos hospitais públicos e mais os leitos dos planos de saúde cadastrado. Para doar a pessoa deve procurar as  unidades de coleta de sangue que estão localizadas em Natal, Pau dos Ferros, Mossoró, Caicó, e Currais Novos. 

Hemonorte

Torcedores rivais aderem à ação de doação de sangue do Corinthians

Registro realizado durante dia de doações da Sangue Corinthiano tem torcedor do Timão abraçado a são-paulino e palmeirense. Campanha tem dia D neste sábado, em todo o Brasil

Sangue Corinthiano
Torcedores de clubes rivais do Timão realizam ato de solidariedade na capital paulista (Foto: Divulgação)

Até torcedores de clubes rivais do Corinthians aderiram à campanha "Sangue Corinthiano", que recebe doações de sangue em prol do Pró-Sangue do Hospital das Clínicas, de São Paulo. Mayron Paiva, corintiano de 22 anos, posou ao lado de Petterson Nogueira, são-paulino de 24, e Cilene Veiga, palmeirense de 32 anos, durante o dia de doações da 18ª edição da campanha, que arrecada uma média de 2.500 bolsas de sangue por ocasião.

Lance Net

Pedido de doação de sangue Donizete Martins Pereira






Donizete Martins Pereira

Tipo sanguíneo: B-.
Compatibilidade: O-, B-.

Doe sangue em
Hemocentro de Uberlândia
R. Levino de Sousa 1845 Bairro Umuarama Uberlândia-MG
Uberlândia / Minas Gerais

Fonte: Salve Mais Um

Pedido de doação de sangue para Fernanda Elisabeth Souza Pedroso

Pedido de doação de sangue para Fernanda Elisabeth Souza Pedroso

Tipo sanguíneo: B+.
Compatibilidade: O-, O+, B-, B+.
SEU SANGUE É COMPATÍVEL!
Doe sangue em
Banco de Sangue do Hospital de Clínicas de Porto Alegre
São Manoel , nº 543 - 2°andar Porto Alegre
Porto Alegre / Rio Grande do Sul

Fonte: Salve Mais Um




SOCIAL MEDIA

MARCADORES